domingo, novembro 07, 2004

Culturómetro

Na passada quinta-feira (dir-se-ia Donderdag por estas bandas) fomos ao pequeno e alternativo 'Film-Plateau', auditório universitário onde passam filmes de géneros e proveniências múltiplas. Fomos até lá para ver 'Un chien andalou' de Buñuel e 'La coquille et le clergyman' de Germaine Dulac. Para repetir a experiência enriquecedora que foi ver 'Nosferatu', versão muda, original, de 1922, acompanhada por piano ao vivo. Porque chegamos às 20h, hora de início da projecção, ficamos à porta. Lotação esgotada. O Paulo comentou: ‘se fosse no Porto estavam duas ou três pessoas na sala’. Em Inglês, claro, para que as amigas belgas percebam as diferenças.

20 Comentários:

Blogger monalisa disse...

Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

4:26 da tarde  
Blogger regularjack disse...

Felizmente, a distância à pátria não tolhe o pensamento nem a consciência mas, pelo contrário, promove a reflexão e permite ver as coisas com outros olhos, com uma visão mais alargada. É essa visão que possibilita analisar as realidades (“cá fora” e “lá dentro”) com maior objectividade e tirar as devidas conclusões. Conclusões essas que, por muito que nos custe, podem não ser favoráveis à Terra-mãe. Mas orgulho-me de verificar que, muitas vezes, a pátria vai à frente.
Para não ficarmos mal, há que mostrar sinceridade.

2:17 da manhã  
Blogger BeanSprouts disse...

Concordo bastante com o Paulo. Nao creio com este tipo de post alguem esta a tentar "enterrar" a patria mas sim a mostrar que ha coisas diferentes ( melhores e/ou piores). Quem enterra a patria sao aqueles que tem consciencia de que algo nao esta bem e simplesmente nao se preocupam com isso; e a indiferenca que provoca estas diferencas todas!!!

4:20 da tarde  
Blogger monalisa disse...

Concordo com tudo o que vocês disseram(Paulo e BeanSprauts).No entanto, a minha primeira intervenção queria atingir a maneira pouco..... correcta com que a questão foi abordada no post inicial.Eu própria admiro algumas questões de outras culturas que a nossa ainda não compreende.Mas também acho que todos o países têm a maioria da população com um índice cultural abaixo do que muitos gostariam.A difença reside,na minha opinião,no facto de Portugal ter dez milhões de pessoas,número esse que corresponde, por exemplo, ao número de habitantes da cidade de Londres!As difereças têm obrigatóriamente que saltar à vista!

9:57 da tarde  
Blogger Bruno disse...

"Os portugueses são uns incultos! Portugal está na cauda da Europa! Assim não vamos a lado nenhum!! Portugal...blábláblá!!!" Parece que onde quer que vá, é difícil de encontrar portugueses que digam outra coisa, independentemente do estrato social, credo ou facção política... E no entanto o cenário custa a mudar! É, no mínimo, irónico ver tanta gente no nosso país de proveniências sociais e, no fundo também culturais, tecerem tantas e tão duras críticas uns aos outros... Não falo propriamente dos bloguistas que se pronunciaram agora, mas refiro-me a toda uma população à qual garganta não falta..
O que eu quero dizer, meus amigos, é que faltam aqui elementos, i. é: acção!
Quero só deixar a seguinte pergunta no ar: já que tanto falamos, discutimos, "blogamos" e criticamos, pergunto a nós próprios: 'E nós, que fazemos para mudar as coisas?' Parece-me óbvio, pelo acima descrito, que a balança entre o falar e o fazer está bastante desiquilibrada...!

2:55 da manhã  
Blogger Bruno disse...

Por estas e por outras é que eu acho que este pode ser um excelente meio alternativo de comunicação...quando bem utilizado! Se tudo o que se disser aqui (e têm-se, apesar de tudo e alguns blogs menos felizes...ou bastante infelizes!, dito coisas interessantes e que podem ter algum relevo) daqui não sair, não vejo que outro sentido senão sala de conversação para intelectuais frustrados pode isto ter!
Não me levem a mal, mas acho que de vez em quando é preciso agitar para acordar! Ou para não estagnar...

3:04 da manhã  
Blogger Bruno disse...

Já agora, os meus parabéns ao Catritas-neto pelas boas e constantes postas. :)

3:08 da manhã  
Blogger BeanSprouts disse...

Bruno - tambem e verdade aquilo que tu dizes, mas pessoalmente, eu nao posso falar assim nem com a minha familia - que eu ate acho que consigo falar muito com eles. nem com os amigos que tenho ai, simplesmente nao compreendem aquilo que eu quero dizer.
Agora, a minha questao e : Como e que tu consegues a tal "accao" se as pessoas que dizem que portugal e os portugueses sao uma merda,k sao as mesmas que sao tao nacionalista (ou nao, porque eu considero-me muito nacionalista, por vezes demasiado) e fechadas, que se recusam a aceitar as diferencas entre - e aqui esta outra vez - o "ca dentro" e o "la fora"?

10:48 da manhã  
Blogger Bruno disse...

Bem, para começar, acho que cada um deve, sem se querer de maneira nenhuma afastar dos outros, SER e PENSAR por si antes de tudo o mais. Creio que não dependemos de todo um país para nos expressarmos e dizermos algo que achamos importante mudar!
Referi-me na última contraposta a pessoas como nós, pessoas que têm efectivamente consciência de que algo não está bem ou pode estar melhor. Se não o consegues fazer com as pessoas que conheces então procura quem esteja no mesmo espírito...creio que é assim que as coisas sérias se fazem.
Muito mau é, na minha opinião, andar constantemente a "passar a batata quente" para as mãos dos outros! Desculpem-me, mas acho isso demasiado baixo e desprezível até!
Sem este tipo de atitude nada se faz, para o bem e para o mal.. É que, vendo bem, este é um conceito bastante generalista e, como tal, aplica-se a muita coisa.
Devo só deixar assente que não sou bairrista de modo algum mas, no entanto, detesto ouvir esse tipo de expressões "cá dentro, lá fora"...compreendo perfeitamente o raciocínio mas, e perdoem-me pela rudeza, acho que esse é justamente um conceito revelador de "pequenez" e tão típico em Portugal! Toda a gente usa a expressão, para o bem ou para o mal, desde o estróina da esquina até ao político da praça pública..!
Creio é que se deve ter uma base de valores sólidos e seguir-se algo porque se acredita e não porque é procedimento comum noutros locais. Daí à globalização culturo-exterminadora é um passito..

2:50 da manhã  
Blogger BeanSprouts disse...

Com certeza, e por saber escolher com quem falar e que mudo de conversa consoante aqueles com quem falo!

Ha so mais outro ponto que eu tenho que contestar e sei que me vou repetir neste blog -

Ainda faz sentido usar as expressoes "ca dentro" e "la fora" ou "ai dentro" e "ca fora". E digo isto sem nenhum sentido destructivo para com o meu, o nosso pais. Ha muitas diferencas e ha um abismo muito grande que sinto mesmo antes de chegar a Portugal. Ainda antes de aterrar ja se consegue ver as diferencas das pessoas, do aeroporto, DE TUDO! ao digo que seja uma coisa assim tao ma...por vezes e ma mas normalmente nao, vejo as diferencas mas penso tao alto que tenho a impressao que todos me ouvem - ESTOU EM CASA!!!!!!!! Amalia, Eusebio e Sra. d Fatima .... diriam outros, eu digo - pessoas simpaticas, amigos, Cafe, SuperBock, bacalhau ...!

11:35 da manhã  
Blogger Bruno disse...

Bem, quanto às expressões creio que estamos conversados: não sei se propositadamente ou não, mas acabaste por me dar toda a razão e com ilustrações por cima!!:)
Há diferenças sim senhor, e bastantes!, para o bem e para o mal, entre Portugal e o resto do mundo. Quis só dizer um valente PORRA!!, e alertar para o facto de ser sempre essa a atitude, "falar falar mas deixa estar..", ou seja, ninguém faz a ponta dum corno pelo que quer que seja mas todos são políticos, filósofos e treinadores de bancada! No que se trata de agir, é o que se vê!
Portanto, falemos e cheguemos a algum lado...isso é que é o importante na minha opinião, e não a constante comparação e atenção às estatísticas..

3:47 da tarde  
Blogger monalisa disse...

Gostaria de apresentar justificações a respeito de a minha contraposta inicial aparecer como apagada pelo autor.Não tenho memória de o ter feito daí que deduza ter sido fruto de um azar acasional.Peço, por isso as minhas desculpas.

10:43 da tarde  
Blogger BeanSprouts disse...

Ou entao foste censurada.... :)

11:51 da manhã  
Blogger Fred disse...

O autor da posta inicial pretende afirmar categórica e veementemente não ter qualquer tipo de responsabilidade no desaparecimento da primeira contra-posta.
Agrada-me bastante que se discuta e reflicta. Espero continuar a ouvir-vos a todos.

9:18 da tarde  
Blogger Bruno disse...

Bem dito sim senhor!
Se bem que era bom ver mais participação no que respeita a comentários, ou deverei dizer contrapostas, e não apenas novos artigos que passam "impunemente" sem comentários..

2:10 da manhã  
Blogger monalisa disse...

Penso que todos sabem interpretar português,caro Fred.Daí que o seu último comentário,na minha modesta opinião,esteja desenquadrado.Ou pretendia passar alguma outra mensagem?
Seja como for,estamos todos de acordo que debates como este (e outros) são deveras necessários e interessantes.Até ao próximo (leia-se debate!).

7:42 da tarde  
Blogger Bruno disse...

Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

12:24 da manhã  
Blogger Bruno disse...

Venho só dizer algo em abono do meu amigo Fred, não que ele precise de advogado de defesa, mas porque acho importante não deixar passar certas coisas em branco que não têm razão de ser..
Parece-me que o Fred não quis dizer nada do que pensaste monalisa, mas antes reafirmar a liberdade que é dada aos blogueiros de se exprimirem, e que nesse âmbito não foi da parte dele que aconteceu esse tal acaso mencionado..
Corrijam-me por favor se estiver enganado...

P.S.: Isto não é nada de pessoal hein..:)

1:45 da manhã  
Blogger monalisa disse...

"Coisas que não têm razão de ser"? Respeito a tua opinião Fred mas.... as razões de cada um dependem das suas prioridades e do seu "culturómetro". :) Seja como for aceito as justificações e acho que com tudo isto nos acabamos por desviar do assunto do post inicial!:)

3:44 da tarde  
Blogger monalisa disse...

Bruno, no post anterior, onde aparece Fred queria escrever "Bruno". Desculpem os dois pelo meu engano. :)

4:25 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home